quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

"Quando O Galo Cantar pela Terceira Vez, Renegarás Tua Mãe" OU Delírios de Um Porteiro da Zona Sul







Assisti ao filme " Quando O Galo Cantar Pela Terceira Vez Renegarás Tua Mãe" do diretor Aaron Salles Torres, que teve o roteiro baseado no conto Feliz Aniversário de Clarice Lispector.


O filme conta a história do porteiro Inácio ( Fernando Alves Pinto), que tem problemas mentais, é meio nonsense, e fica ligado nas câmeras do edifício na portaria onde trabalha.




Inácio tem problemas também em casa : O pai ( Tião D'Avila) com doença crônica e que incomoda a todos na casa pelo seu estado crítico e a mãe Zaira ( Catarina Abdalla), uma louca que come manga com um facão e tem um galo ou galinha na cozinha como amigo.




Inácio ainda tem um fetiche: É apaixonado por um dos moradores: O moço Antônio ( Lucas Malvacini), que é malhado, solteiro, e de bem com a vida.


Inácio fica louco quando o morador aparece nas câmeras do prédio e também quando às vezes limpa o carro do morador, pegando objetos pequenos para guardar e depois ficar no apego com os mesmos.




Um dia, chega até a entrar no apartamento do moço, e o observa tirando sua roupa depois de chegar do trabalho.




O pai de Inácio morre, e sua relação com a mãe fica insuportável.




No final, o galo canta três vezes ...




Valeu, pelo conhecimento do conto de Clarice Lispector, a parte bíblica da frase e também o enredo do filme.

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

"Divórcio" Ou Filme Rodado em Ribeirão Preto



Finalmente assisti ao filme Divórcio , do diretor Pedro Amorim, que foi filmado em Ribeirão Preto, minha cidade.


Muito legal ter sua cidade como pano de fundo de um filme. Nesse foram os canaviais da região, os prédios da Av Fiúsa e provavelmente as locações em condomínio fechado .


A história começa com o possível casamento entre Noeli ( Camila Morgado ) e seu pretendente , com uma festança ao ar livre, gente chique , etc.


Só que Júlio ( Murilo Benício), um louco varrido, chega na hora com seu possante carro e pede que a noiva fuja com ele .



Pedido aceito, os dois começam uma vida simples, com dificuldades, filhos , até que montam uma fabriqueta de molho de tomate ( JUNO) que vira uma empresa , se expande e ficam muito ricos .


O casal sertanejo vai até à São Paulo, em festas e reuniões empresariais , numa delas, Sabrina Sato entrevistou o casal.



O dinheiro, a agenda cheia, e o glamour caipira, fizeram com que o casamento fosse degringolando aos poucos, e o divórcio seria uma coisa a acontecer .


O período em que o casal estava separado foi bem conturbado, onde rendeu até uma prisão para Júlio por causa de não pagar a pensão.


Na cadeia, conheceu o louco ( Paulo Serra), que o ajudou a se mandar dali e ir atrás de seu amor.


Nesse momento, Noeli, já estava até saindo com um cantor sertanejo ( Catanduva), com seu jatinho e tudo .


Será que Júlio vai novamente  tirar Noeli de um compromisso ?



Gostei do filme, gostei das locações , da trilha, do sotaque, apesar de achar meio caricato .


Valeu a pena !


Eu recomendo !

"Freak Show" OU A Personalidade de Um DIFERENTE



Bem atual o filme " Freak Show" de Trudy Styler, ambientado numa escola nos EUA a maior parte do tempo.


O filme tem como seu protagonista o adolescente Billy Bloom ( Alex Lawther) uma mistura de gay + fashion+ emo +cross dresser + excêntrico que ao ter sua mãe indo embora e ele ter que ir morar com o pai que não tinha nenhuma empatia, sofre para se adaptar .


Sua mãe MUV ( Bette Midler) o criou desde pequeno e sempre esteve à sua volta, não importando com as intervenções do pai William ( Larry Pine).


Chega a adolescência e Muv vai embora de casa, fazendo assim que o rapaz tenha que ir morar com o pai em sua mansão.



Lá, a governanta Florence( Celia Weston) tenta moldar aos costumes do local , mas, Billy é irredutível e logo no primeiro dia que vai à escola já causa com o seu figurino.


Todos ficaram pasmos com a presença dessa figura estranha, esquisita, que a cada dia ia com um figurino mais diferente.




Billy não tinha ninguém como amigo, mas, aos poucos, o super pop Flip Kelly ( Ian Nelson), o bonitão da escola, que além de ser pop, também fazia sucesso no futebol, se aproximou gratuitamente do rapaz.


Os dias de Billy na escola não foram fáceis, sofria bullying por todo o tempo.


Quando chega o momento de escolher a Rainha do Baile , a Lynette ( Abigail Breslem), que sempre sonhou com esse posto, pensou que seria a única candidata, mas, surpreende-se com a candidatura de quem ? Billy Bloom !


Foi uma bomba essa notícia, um menino se candidatando a ser uma rainha numa escola conservadora.


O que virá  agora ?


Bom filme para mostrar como sofre o diferente, a intolerância e como o tempo faz com que algumas pessoas mudem sua forma de pensar a respeito.


Valeu a pena !


Eu recomendo !  

"Master Class" OU Maria Callas By Christiane Torloni



Que bom que um espetáculo como esse eu tive oportunidade de assistir : "Master Class", a peça escrita pelo autor norte americano Terrence Mac Nally, que falava sobre as aulas magnas da maior cantora lírica do mundo nos anos 70, na Julliard Scholl of Music em Nova York.




E então , assim com um cenário belíssimo, Maria Callas ( Christiane Torloni) e seu maestro (Thiago Rodrigues) iniciam os trabalhos no palco.





Antes de entrar o primeiro aluno, Maria Callas ou Christiane Torloni, dá alguns toques na plateia, algumas sacadas atuais, valendo para todos não importando a profissão ou caminho escolhido na vida.




E chega a primeira aluna : Ela veio pronta para interpretar uma ária famosa : A Sonâmbula de Bellini.

Não foi fácil a convivência com Maria Callas, pois era muito exigente e severa com os alunos.







A interpretação da aluna Sophie de Palma  foi de Paula Capovilla .



Maria Callas , contava com a presença do maestro Thiago Rodrigues, no papel de Emmanuel Weinstock.






Depois, foi a vez da aluna Sharon Graham, interpretada por Julianne Daud, , que por sinal foi uma das detentoras dos direitos da peça ao lado do maestro Fábio G. Oliveira.






Sharon iria interpretar  Lady Macbeth , e Maria Calla exigia que a aluna conhecesse Shakespeare antes de tudo. 




E chega a vez do tenor Anthony Candolino na pessoa de Fred Silveira, que interpretaria um clássico italiano.




Com muita segurança e petulância, ele logo foi questionado por Callas, que o fazia entender que um cantor não era bom somente por saber cantar. Ele deveria ter outros atributos. 






Os solos ( monólogos) em que Christiane Torloni interpretou foram densos, e mostrou muito do sofrimento que viveu a cantora.

A minha única observação é que exatamente nessas falas a atriz saiu um pouco da personagem e me lembrou muito outros papéis interpretados magistralmente em outras ocasiões.



Enfim, uma belíssima produção , com a direção de José Possi Neto e a direção musical do maestro Fabio G. Oliveira.




Valeu a pena !


Eu recomendo !

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

"God's Own Country" OU O Amor e As Ovelhas







Assisti ao filme britânico "God's Own Country" do diretor Francis Lee ,que tem em um vilarejo belíssimo o seu pano de fundo.




O enredo baseia-se na história de Johnny( Josh O' Connor), um jovem meio esquisito que não dá conta dos afazeres da fazenda de seu pai Martin ( Ian Hart).






Por causa disso, o pai contrata um imigrante romeno , Gheorghe ( Alec Secareneau) para dar uma melhorada em suas terras e cuidar de suas ovelhas.




Na chegada, ele não é bem recebido por Johnny que fazia gozações sobre o fato dele ser romeno e cigano, o que causou um certo desentendimento entre os dois.






Logo, o romeno mostrou que entende de fazenda e de animais como ninguém e conquistou a confiança do pessoal.




Johnny que era visto como irresponsável pelo pai e pela avó, acaba melhorando seu comportamento com a chegada de Gheorghe.






O esquisitão que saía à noite e bebia até cair e vomitar e fazia sexo casual com outros homens passou a se interessar pelo romeno e os dois acabaram se tocando.




O toque foi intenso, bom e fez com que os sentimentos do caipira Johnny aflorassem, dispudorando toda a sua forma de amor .






Os dois saíram para um trabalho no campo, em um lugar alto na montanha e aí finalizaram , selaram os seus sentimentos.






O que Johnny não poderia segurar era o seu ímpeto da bebida e sua promiscuidade , fato que fez com que Gheorghe fosse embora dali.






Johnny não se cabe com  a partida do companheiro,além da doença do pai, que fazia com que ele tivesse que dar conta de tudo na fazenda.






A avó, já desconfiada, descobre o segredo do neto . O pai também fica sabendo e mesmo doente, aceita.






E agora, o troncudão Johnny irá atrás de seu amor ?




Fotografia belíssima, valeu muito a pena .






Eu recomendo !

"50 Tons de Liberdade" OU Vale Pela Trilha ...





Depois de um século, fui ao cinema literalmente assistir ao filme " 50 Tons de Liberdade " do diretor James Foley, baseado na trilogia de E.L. James.






O filme começa com o casamento de Christian Grey ( Jamie Dornan) e Anastasia ( Dakota Johnson) e a consequente maravilhosa lua de mel, com direito a jatinho, hotel de frente para a Torre Eiffel em Paris e outros mimos...






Voltando à Seattle, os dois vão para uma casa enorme, com 2 seguranças para Anastasia, que está sofrendo ameaças de um antigo colega de trabalho Jack Hyde ( Eric Johnson), que tenta de toda forma desestabilizar a vida do casal e é aí que o filme tem um pouquinho de emoção.






Anastasia, que retorna ao trabalho, já promovida como editora chefe , sofre com esse glamour todo, e não quer que isso atrapalhe a sua forma de ser.






O quarto vermelho parece menos intenso nesse filme, com cenas de pouca duração e meio sem graça.




Alguma desconfiança de Anastasia quanto a Grey abalam o casamento , assim como a gravidez inesperada.




No final, tudo bem, tudo certo, também, com tanto dinheiro, poder e sexo , nada poderia ser diferente.




Valeu pelo entretenimento, pelas poucas,mas, bonitas cenas sensuais do casal, pela trilha belíssima, pelos carros, pelo luxo, pelas casas ...






É isso!