segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

"Meus 15 Anos" OU As Mega-Parties



Assisti ao filme by Netflix, "Meus 15 Anos" da diretora Caroline Okoshi Fioratti , e valeu como o filme após um dia de trabalho, quando o sol estava se pondo ...


Sabia, claro que seria um filme infanto-juvenil, mas, mesmo assim apostei na 1 hora e 45 minutos de duração do filme e vi até o final, com  show da Anitta e tudo mais.


Bem, com relação à história, tudo começou no colégio com aquela que era o patinho feio da turma, esquisitona, que se veste mal, usa óculos e anda com um nerd.


Sim, essa é a Bia( Larissa Manoela) que vive com o pai Edu ( Rafael Infante), que é dono de uma geringonça de animação e cada dia vai com uma fantasia para buscar Bia na escola. Bia perdeu a mãe cedo .


Tem o seu gato Farofa de estimação e vive andando com Bruno (Daniel Botelho), um amigo dela, que a protege, que sofre junto, que canta, dança e frequenta a sua casa.


Uma promoção de um shopping, dará à vencedora, uma festa de 15 anos, e Bia, não liga pra isso, mas, seu pai, após comprar no local, preenche o único cupom e ...

É ...Bia é a ganhadora da mega festa de 15 anos.


Agora, ela tem que acelerar para a lista dos convidados, provar o seu vestido, escolher o seu príncipe e fazer os 15 anos.


O mais fácil foi escolher o príncipe, o amigo Bruno, a lista : convidou todos do 1ºano, mas, os meninos do 3ºano, através de Thiago(Bruno Peixoto), o mais bonito da escola, tinha a missão de se aproximar da menina só para conseguir os convites para a galera.


E foi assim, que deu início à grande festa, com Bia muito bonita, com Anitta cantando, muita diversão, todos se aproximando da garota, até Thiago, que parece gostar.


Mas, e a aposta com os amigos ?


E Bruno ?

Com certeza, você sabe o final ...

domingo, 10 de dezembro de 2017

"Tempos de Paz" OU Uma Aula de Teatro no Cinema



Sempre quis assistir a esse filme, mesmo porque, havia comprado um livro que mostrava o seu roteiro, fotos, apresentações, e tudo sobre o filme.

Falo de " Tempos de Paz", do diretor Daniel Filho, baseado na peça Novas Diretrizes em Tempos de Paz, de Bosco Brasil.


O tempo, era o pós guerra, onde desembarcavam dezenas de navios vindos da Europa, com pessoas que queriam fugir do horror ocorrido na Europa com a segunda grande guerra.


No Brasil, ainda não havia novas diretrizes em tempos de paz, mas, já estava por sair, tanto é que os comunistas que estavam presos, foram todos soltos.

Segismundo ( Tony Ramos), braço direito de uma figura política importante e cumpridor de  atos , agora estava trabalhando na alfândega, no Rio, e parece ter um último caso antes desse acordo de paz.


Tratava-se do polonês Clausewitz ( Dan Stulbach), que vinha nesse navio, e falava português, estava todo animado e sorridente, não trazia bagagem e dizia-se agricultor. Até versos de Carlos Drummond de Andrade ele recitava.

Causou um pouco de estranheza aos oficiais isso tudo, já que o que procuravam ali eram nazistas, que seriam impedidos de entrar no Brasil, e esse senhor polonês foi levado ao Segismundo por Honório ( Ailton Graça).


Ficou por várias horas tentando justificar sua vinda ao Brasil e nada que Segismundo acreditasse nesse homem, como era agricultor sem uma marca nas mãos?

O tempo passava e o navio que seguiria para Ilhas Falklands estava para zarpar, e se o polonês não justificasse quem realmente era e oque pretendia aqui, ele seria deportado e seguiria com o navio.


Nem mesmo a história de Clarissa ( Louise Cardoso), a irmã de Segismundo , que fora salva pelo médico Dr Penna ( Daniel Filho), e posteriormente a atrocidade cometida por Segismundo com o próprio médico que salvou sua irmã ( cortou dedos e mãos ) e o colocou na prisão , não amenizavam Segismundo com o drama de Clausewitz.

No final, já não havendo mais o que fazer para que Segismundo assinasse o salvo conduto para o imigrante, ele fez uma aposta :

Se Clausewitz o fizesse chorar com as lembranças de suas memórias de guerra em 10 minutos, ele o liberaria da deportação.


Clausewitz até tentou contar algo de seu mentor, e mestre em português que foi morto pelos nazis, mas, vendo que não conseguia, partiu para o que realmente sabia fazer : ATUAR.

Clausewitz era na verdade ator de teatro, e com a guerra sabia que essa era uma profissão que não serviria no pós guerra no Brasil, por isso disse que era agricultor.


Os minutos que se seguem com a performance de Dan valem o filme . É uma aula de teatro para todos que gostam e que não gostam, tanto é que fez Segismundo que nunca havia entrado num teatro , chorasse e assim, conseguido o seu salvo conduto.

Depois, mais um pouco de interpretação agora para todos os funcionários da alfândega e assim os tempos de paz finalmente chegam ao Brasil.


Lembrando que Dan Stulbach tem muito a ver com a história . Ainda no elenco, Anselmo Vasconcelos, como João.

No final, vários são os homenageados, aqueles que vieram para o Brasil e fizeram história , como :
Anatol Rosenfeld , Berta Loran, Eric Rzepecki, Emeric Marcier, Eugem Szenkar, Frans Krajcberg,Friedrich Gustav Brieger, Fritz Feigl , Giogio Mortara,Jean Manzon, Nydia Lícia, Otello Zeloni,, Otto Maria Carpeaux, Paulo Ronai Ziembinski e muitos outros.

Valeu a pena !

Eu recomendo !

"Bingo - O Rei das Manhas" OU Ousado!



Felizmente assisti a um filme nacional diferente, ousado, sem amarras, que agora sim não deve nada a outros países. Parabéns aos seus produtores e ao diretor Daniel Rezende.


Falo de "Bingo: O Rei das Manhãs" , idealizado com a  cine biografia de Arlindo Barreto, filho de Márcia de Windsor, que interpretou Bozo por 2 anos no SBT, caiu nas drogas e no álcool e depois se recuperou, tornando-se um pastor evangélico em atividade até hoje.


Assim, Vladimir Britcha interpreta com maestria Bingo, esse palhaço, depois de vários filmes de pornanchanchada , uma fala em uma novela e sem visibilidade alguma, Augusto Mendes, o filho da também atriz Marta Mendes ( Ana Lúcia Torre), concorre com mais de 100 palhaços e ganha o papel para ser o Bingo, programa de sucesso de mais de 10 anos na TV americana, que tem o gringo Peter Olsen ( Soren Hellerup) aqui no Brasil, para emplacar esse sucesso.


Sua assistente, a diretora evangélica Lúcia ( Leandra Leal), é firme, quer que Bingo leve a sério todo o roteiro , e faz de tudo para que tudo saia como o americano trouxe.


Bingo inicia seus trabalhos e com o roteiro apresentado, traduzido do inglês, nenhuma criança dá risadas, ele se dá mal, e todos vêm o projeto ruir.


Já vai fazer uma semana, e de repente, toma até aulas no circo com o famoso palhaço Domingos Montagner e sua trupe , e leva para a TV  algo diferente, novo, fora do script e todos gostam, dão risada, e Bingo é um sucesso.


Há a guerra das emissoras, e a de Bingo é a 4ª, mas, ele promete reverter, justamente porque a primeira, a Mundial o negou um papel melhor em uma novela, a emissora de Armando ( Pedro Bial).


Sua ex mulher, também atriz Angélica ( Tainá Muniz) é um sucesso na telinha e seu filho Gabriel ( Cauã Martins) mora com ele.


Bingo arruma logo um parça na TV, o cameramen Vasconcelos ( Augusto Madeira) e juntos entram na farra do álcool e da cocaína, dentro mesmo do próprio camarim, com muitas mulheres .


Eles saem na noite e aproveitam o que podem e o que não podem, fazendo com que Augusto passa a esquecer do filho em várias de suas atribuições como pai.


O sucesso vem e sobe à cabeça de Augusto, sua emissora está em primeiro lugar nas manhas , ele quer de qualquer forma comer a diretora Lúcia, e não se conforma em não poder aparecer, mostrar a cara e todos saberem quem é o sucesso da meninada.


Esse é o maior dilema de Augusto e as coisas começam a ruir, com a bebida e a droga, o seu reinado chega ao fim.


Será que ele se recupera e volta a atuar ?

Ótimo filme, ousado, dinâmico, com excelentes atuações de Vladimir Britcha e Leandra leal.


Valeu a pena !

Eu recomendo !


Trilha sonora dos anos 80 maravilhosa !

E a única personagem que não precisou de mudar o nome foi Gretchen , interpretada por Emanuele Araújo.


terça-feira, 5 de dezembro de 2017

"Cherry Pop " OU Quanto Vale Um Sonho ?



O filme me  pegou pelo visual, e parecia ser muito engraçado, por isso assisti a "Cherry Pop"  do diretor Assaad Yacoub, que mostra uma noite em uma espelunca ( casa noturna) com show de drags nervosíssimas e a estreia de uma delas, chamada de cereja.


Assim, o local se chama Cherry Pop, é bem pequeno, com poucas mesas e frequentadores, meio decadente, com um gerente chato e mandão  e um bartender , somados ao dj que coloca as músicas para as drags dublarem.


Nesse dia, até a mãe de uma delas, da Ariella foi ao show ver como o filho está no seu processo teatral  kkkk.


A cereja também apareceu, Lars Berge , que é aotr e cantor e não consegue visibilidade alguma por onde anda.


Um loiro bonito, que chega e vai para o camarim para ver se tem a ajuda das drags para lhe dizer como será o show e sua entrada, mas, acontece exatamente o oposto.

Elas estão enfurecidas, de um mal humor tremendo, inclusive a estrela, Lady Zaza está trancada em seu camarim particular tentando se matar por causa de um amor que se foi.


Várias drags conhecidas estão no filme como : Detox, Choriza, Dellusia, Kitten e Blanquisha.

A cena mais engraçada, ou tragicômica, foi quando uma das drags vomita todo o seu almoço em um cliente, que sai para se limpar e desliga a força do local, justamente na hora em que a cereja iria fazer o seu show, e ele faz do jeito que queria, cantando no gogó, de verdade, sem dublar, o que encanta a todos, fazendo o melhor número da noite e contribuindo, talvez, para a realização de seu sonho : Tornar-se realmente um ator/cantor.


Valeu a pena !

Eu recomendo !

"Voyeur" OU Documentário sobre o Livro de Gay Talese



Para quem espera encontrar no documentário, histórias ou cenas sobre o que o VOYEUR , dono do Motel Manor House, em Aurora, no Colorado colecionou durante anos ao espionar seus clientes, vai perder seu tempo.


Um pouco de que falou, é que através das anotações de Gerald Foss, o dono do motel, observou e contou quantos casos de sexo oral houve, se a mulher tinha ou não orgasmo, mas, no geral, que tudo era muito tedioso, normal, chato.


O documentário mostra que ele mesmo construiu essa estrutura onde pudesse ver através de saida de ar todos os quartos de seu motel sem ser notado, e que nunca houve uma desconfiança por parte dos clientes.


Presenciou um assassinato, um casal de homens em que um se vestia de ovelha, e também falou que quando levavam cachorros, esse sim, desconfiava e parecia que sentiam que havia outro alguém por ali.

Contou de uma farofada que um cliente fez uma vez com comidas e que depois limpou nos lençóis da cama, o que deu vontade de gritar e acabar com o rapaz.


Mas, o que mais se foca no documentário é a relação dele com Gay Talese, escritor octagenário de renome nos EUA, que seria o responsável pela publicação do livro com essas histórias.

O processo foi bem demorado, com anos de "namoro" entre os dois até a publicação final do livro. O filme, mostra detalhe por detalhe desse processo de trabalho .


No final, a frustração  de todos, por causa de um questionamento do Jornal Washington Post de que as informações no livro passadas eram incoerentes em termos de datas e nomes de proprietários do local.


Isso deixou Gay Talese furioso, que até o fez desautorizar a publicação do livro, já que sua reputação estaria lá embaixo. Se sentiu enganado, traído, até que por fim, verificou novamente as fontes com Gerald e tudo se resolveu.


Enfim, bem controverso os relatos, a história, o livro e até o documentário, onde não sabemos até onde isso tudo foi verdade ou ficção.


Se tiver interesse, vale a pena conferir, o documentário dos diretores Myles Kane e Josh Koury.